AK47

Collors Trips - Mumbai by AK47

[English]

Today's post is dedicated to the launch of a very special project for us, the Collors Trips. Here you will better understand what this project is, how it works, and the plans for the coming months.

WHAT IS THE COLLORS TRIPS?

The Collors Trips was born with the partnership between Keep It Real and Collors Brasil, and deals with graffiti in a very particular way. This project promotes the convening of "artists teams", who embark to "unusual destinations", to fulfill some "graffiti missions". If you think this all sounds crazy, you're right, haha!

During these trips, the production team records the situations experienced by the artists, whether in graffiti practice or just in everyday situations of those who are in a totally unfamiliar environment. There are many challenges that go beyond making art. When arriving at a new destination, the spoken language is different, the clothes are different, the laws are different. Artists never know what will lie ahead in the next instant.

FIRST CHAPTER: MUMBAI, INDIA

In this first chapter, Collors Trips visit Mumbai, one of the most vibrant cities in India. The cultural shock is intense, as the fascination with all the new things that appear: the food is extremely spicy, people walk down the street wrapped in colorful fabrics, children play on cars and trucks parked on the street, traffic is crazy and cows have complete freedom to do what they want.

The team chosen for this adventure consists of five Brazilian artists: AK47 (RJ), BUYU (SP), RIZO (SC), VEJAM (SC) and VALDI (SC). Each of the chosen artists has very different work styles, but somehow come into harmony to achieve the goal.

The mission given to this group of artists was bold: paint a giant panel inside the Mumbai Institute of Technology, for one of the most important worldwide technology conferences, TechFest. It is not easy to align the work of 5 different minds, with a very specific goal, in partnership with several Indian students which hosted the group. The result caught the attention of everyone, including the very creators of the panel.

FROZEN MOMENTS OF MUMBAI

Of course in addition to the video serie, the infinite amount of images captured transmit part of the essence of what was experienced by the artists. In this post, some pictures that can help you to get you closer to Mumbai, and understand how it feels to be part of Collors Trips project.

TO KNOW MORE ABOUT THE COLLORS TRIPS

The experience in Mumbai is just the first chapter in a series that will visit many other destinations. To continue watching the Collors Trips, just sign up on the official youtube channel and follow the project's official media. On each journey, several videos will show the experience to take the risk of accepting the unknown.

- Youtube: www.youtube.com/channel/UCqggCtcKbxtaT9Qbotk8hNg
- Facebook: www.facebook.com/KIRproject
- Instagram: www.instagram.com/KIRproject
- Site: www.kirproject.com/collorstrips
- Blog: www.kirproject.com/blog
- Contact: collorstrips@gmail.com

To say good by in this post, we do as people do in Mumbai. Just join hands in front of chest, and say Namaste with the best vibrations and intentions you have.

Namaste ... see you on the next chapter of Collors Trips.

=)

[Português]

O post de hoje é dedicado ao lançamento de um projeto muito especial pra nós, o Collors Trips. Aqui você vai entender melhor o que é esse projeto, como ele funciona, e as expectativas para os próximos meses.

O QUE É O COLLORS TRIPS?

O Collors Trips nasceu da parceria entre o Keep It Real e a Collors Brasil, e trata o graffiti de uma maneira muito particular. Este projeto promove a convocação de “times de artistas”, que embarcam para “destinos inusitados”, para cumprir algumas “missões de graffiti”. Se acha que isso tudo parece loucura, você está certo, haha!

Durante estas viagens, a produção registra as situações vividas pelos artistas, seja na prática do graffiti, ou simplesmente nas situações cotidianas de quem está em um ambiente totalmente desconhecido. São muitos desafios que vão além de fazer arte. Ao chegar em um novo destino, o idioma falado é diferente, as roupas são diferentes, as leis e costumes são diferentes. Os artistas nunca sabem o que vão encontrar pela frente no instante seguinte.

O PRIMEIRO CAPÍTULO: MUMBAI, ÍNDIA

Neste primeiro capítulo, o Collors Trips visita Mumbai, uma das cidades mais frenéticas da Índia. O choque cultural é imenso, assim como o fascínio por todas as novidades que se mostraram presentes: a comida é extremamente apimentada, pessoas caminham pela rua enroladas em tecidos coloridos, crianças brincam sobre carros e caminhões estacionados na rua, o trânsito é louco e as vacas tem total liberdade para fazerem o que quiserem.

O time escolhido para esta aventura é composto por 5 artistas brasileiros: AK47 (RJ), BUYU (SP), RIZO (SC), VEJAM (SC) e VALDI (SC). Cada um dos escolhidos tem linguagem e estilos muito diferentes de trabalho, mas de alguma forma entram em harmonia para alcançar o objetivo.

A missão dada à esse grupo de artistas foi ousada: pintar um painel gigante, dentro do Instituto de Tecnologia de Mumbai, para uma das mais importantes conferências de tecnologia de todo o mundo, a TechFest. Não é nada fácil alinhar o trabalho de 5 mentes diferentes, com uma proposta tão particular, em parceria com os diversos estudantes indianos do institudo que acolheu o grupo. O resultado chamou a atenção de todos, inclusive dos próprios criadores do painel.

MOMENTOS CONGELADOS DE MUMBAI

Claro que além da série de vídeos, a produção registrou uma infinidade de imagens que captam um pouco da essência do que foi experimentado pelos artistas. Segue post algumas fotos que podem te ajudar você à chegar mais perto de Mumbai, e entender o que é fazer parte do projeto Collors Trips.

PARA SABER MAIS SOBRE O COLLORS TRIPS

A experiência vivida em Mumbai é apenas o primeiro capítulo de uma série, que vai visitar muitos outros destinos. Para continuar acompanhando o Collors Trips, basta se inscrever no canal do youtube e seguir as mídias oficiais do projeto. A cada viagem realizada, diversos vídeos mostrarão as experiências de assumir o risco de aceitar o desconhecido.

- Youtube: www.youtube.com/channel/UCqggCtcKbxtaT9Qbotk8hNg
- Facebook: www.facebook.com/KIRproject
- Instagram: www.instagram.com/KIRproject
- Site: www.kirproject.com/collorstrips
- Blog: www.kirproject.com/blog
- Contato: collorstrips@gmail.com

Para terminar este post, faremos como as pessoas fazem em Mumbai. Basta juntar as mãos na frente do peito, e dizer NAMASTÊ com as melhores vibrações e intenções.

NAMASTÊ … e até o próximo capítulo do Collors Trips.

=)

(Article and pictures by AK47. Collors Trips is an project by Keep It Real and Collors Brasil. A big shout out and thanks to everybody in India that helped us on this trip, specially the people from the IIT Bombay, TechFest, the Wicked Broz Team, the local writers, and all friends we made. YOU ARE AWESOME. Namastê.)

OCUPAGRAFFITI #2 by AK47

[English]

It is it! This post officially launches the video OCUPAGRAFFITI # 2!!!

But, if you don't know this project, we have to go back in time to explain it, more precisely in August 2015.

Sunday. Sunny day. Expectation. Carring lot of paint, we went to the neighborhood of Campo Grande, a suburb of Rio de Janeiro, to dive into a complex of buildings called "João Balaio". An occupation that is home to dozens of families for many years.

At first, what we see is garbage, animals, and other signs of poverty. But in a matter of seconds, the environment changes, and the feeling of host is amazing. We were welcomed as part of those families. Barbecue, beer, jokes, family atmosphere, conversation and even a birthday party. We were pulled to that universe, meeting people that have marked our lives.

In this event, we met the team of ILEGAL FILMES, group of urban guerrillas who use cameras as tools of change and awareness. The ILEGAL FILMES is already working on the field for 2 years, and has an intense contact with the world of graffiti and other street actions.

I decided to have a little chat with Paulo, one of the owners of ILEGAL FILMES and organizer of OCUPAGRAFFITI, to better understand this action.

> When I asked how was the contact with the families in this occupation and the reason of being involved in this act, the answer was beautiful.

The first time I painted there, we got connected in the situation. We found people that in the morning were picking up food and some counted bread for the rest of the week ... and later wanted to share that bread with us. While painting, many children appeared, and got hipnotised by something they had never seen before, something out of the violent routine of the West Side of Rio de Janeiro. I saw an inexplicable happiness in the eyes of children, because someone they didn't know have left home that day to bring a some color to a gray place and completely abandoned by the state. I believe I have an obligation to bring this joy to the kids and also to older people who got happy because someone care about them, bringing these interventions to where they live.

> How did the idea of OCUPAGRAFFITI born?

After the first day there, me and Xuxão (a reference in the street scene of Rio de Janeiro) talked and decided to organize the OCUPAGRAFFITI # 1. I talked to my partner Alan that we had to film the project, help spread what goes out there and show that even with all the difficulties that everybody have, they go forward with joy and hope for better days.

> For those who do not know, here is OCUPAGRAFFITI # 1:

> What is the relationship between ILEGAL FILMES and the STREETS?

Particularly as a writer, the Streets are very important to me, 'cause it taught me a lot in the past and still does today. The Street are a place where we enjoy our leisure working, and the name "ILEGAL" just comes from this marginal feeling, out of standards and legalities.

> About the organization of OCUPAGRAFFITI, Paulo also says:

I don't  that term "organizer" for thinking that is linked with "leadership" or something. With OCUPAGRAFFITI we want a fully horizontal structure, where no one is more than anyone.

> To learn more about the ILLEGAL FILMS and its productions, check out:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> To know about the OCUPAGRAFFITI # 2, it is simple. Press PLAY on the video below and make part of it:

- - - 

[Português]

É isso! Esse post lança oficialmente o vídeo OCUPAGRAFFITI #2!!!

Se não sabe o que é este projeto, temos que voltar um pouco no tempo para explicar, mais precisamente até Agosto de 2015.

Domingo. Sol forte. Expectativa. Carregados de tinta, seguimos para o bairro de Campo Grande, subúrbio do Rio de Janeiro, para mergulhar dentro de um complexo de prédios chamado de “João Balaio”. Uma ocupação que abriga dezenas de famílias há muitos anos.

Num primeiro momento, o que os olhos veem é lixo, animais soltos, e demais sinais de pobreza. Mas em questão de segundos, o ambiente muda, e a sensação de acolhimento é incrível. Fomos recebidos como parte daquelas famílias. Churrasco, cerveja, brincadeiras, clima familiar, rodas de conversa e até uma festinha de aniversário de crianças. Fomos carinhosamente puxados pra dentro daquele universo, conhecendo pessoas que marcaram nossas vidas.

Neste evento, conhecemos a galera da ILEGAL FILMES, grupo de guerrilheiros urbanos que usa câmeras como ferramenta de mudança e conscientização. A ILEGAL já trabalha na pista há 2 anos, e tem um contato intenso com o universo do graffiti e outras ações de rua.

Resolvi conversar um pouco com Paulo, um dos sócios da ILEGAL FILMES e organizador do OCUPAGRAFFITI, para e entender melhor essa ação.

> Ao perguntar como foi o contato com a galera dessa ocupação e o motivo de estarem envolvidos na organização desse ato, a resposta foi linda.

A primeira vez que pintamos lá, nos indentificamos bastante com a situação. Pessoas que de manhã estavam pegando cestas básicas, pães contados pro resto da semana, e de tarde faziam questão de dividir aquele pão com a gente. Enquanto pintava, muitas crianças apareceram e ficaram admirando aquilo que nunca tinham visto de perto, uma coisa fora do cotidiano violento da zona oeste do RJ.  Vi uma felicidade inexplicável no olhar das crianças, em alguém que eles nem conheciam ter saido de casa aquele dia pra levar um pouco de cor pra um lugar cinza e completamente abandonado pelo estado. Acredito que tenho obrigação de levar essa alegria pra molecada e também até pros mais velhos que ficam de cara com alguém se importar com eles, levando essas intervenções até onde moram.

> Como surgiu a idéia do OCUPAGRAFFITI?

Depois do primeiro role lá, eu e Xuxão (uma referência na cena da Rua do Rio de Janeiro) conversamos e decidimos organizar o OCUPAGRAFFITI #1. Conversei com meu sócio (Alan) da produtora que tinhamos que filmar o projeto, ajudar, divulgar o que rola lá e mostrar que mesmo com todas as dificuldades que a galera de lá tem, eles seguem em frente com alegria e esperança em dias melhores.

> Pra quem não conhece, esse foi o OCUPAGRAFFITI #1:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #1, use o link disponível neste post logo acima)

> Qual a relação da ILEGAL FILMES com a RUA?

Particularmente como escritor, a Rua tem muita importância pra mim, me ensinou muita coisa e me ensina até hoje. A Rua é um lugar onde curtimos nosso lazer trabalhando, e o nome “ILEGAL” vem justamente desse lado marginal, fora dos padrões, legalidades e mais do mesmo que vemos em outros vídeos.

> Sobre a organização do OCUPAGRAFFITI, Paulo ainda diz:

Não gosto muito desse termo de "organizador" por achar que tem ligação com "liderança" ou alguma coisa assim. Com o OCUPAGRAFFITI queremos uma parada totalmente horizontal onde ninguém é mais que ninguém.

> Para conhecer mais sobre a ILEGAL FILMES e suas produções, confira:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> Para saber como foi o OCUPAGRAFFITI #2, é simples. Aperte o PLAY no vídeo abaixo e faça parte desse mundo:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #2, use o link disponível neste post logo acima)

(Pictures by AK47. Article by AK47. Videos by ILEGAL FILMES. A shout to Paulo, Alan, Xuxão, and all the families that make this kind of project possible. ART WILL SAVE THE WORLD.)

Brasa na Linha by AK47

[English]

KRLN, an old-time colleague, decided to gather some of the old "writers" of the small town where we grew up. By a noble reason, called for a meeting in a classic spot, the "Train Track".

A lot of people said they were going to participate.
On the "D" day many were not there.
Some local artists attended.
Also appeared people from other cities.
Some old school guys.
Some retired writers.
Presence of the "new school" too.
People who does not paint.
Curious crossing the event all the time.
Fire in barbecue.
Smoke factory.
It was a day for Graffiti to few people ... and a day for talking to others.

Deep blue sky Sunday.
Sun frying our heads.
Good music on the headphones.

Years and years pass but the "Train Track" does not lose the glamour.
Beautiful place so ugly.
Wasted.
Traditional.
Classic.
Walls that peel and go back every season.

Very important to be there and see old figures that played a role in the past scene.
Opportunity to reaffirm the commitment to the Graffiti Movement.
Chance to put "respect for the collective" before personal issues.
Good time to talk some shit and laugh at the shit that buddies talk, haha.

The result of that meeting on the walls can be seen below.
Photos of all pieces in order they were painted:

[Português]

KRLN, parceiro de velha data, resolveu reunir alguns dos antigos "writers" da pequena cidade onde crescemos. Por motivo mais do que nobre, convocou um mutirão num pico clássico da cena, a Linha do Trem.

Muita gente disse que ia participar.

No dia "D" muitos não estavam lá.
Compareceram alguns locais.
Apareceu também gente de fora.
Visita de grafiteiros da "velha guarda".
Outros já aposentados.
Presença de manos da "nova escola".
Gente que não pinta.
Curiosos cortavam o evento.
Fogo na churrasqueira.
Fumaceira.
Dia de Graffiti pra uns ... de papo pra outros.

Domingueira de céu azulzíssimo.
Sol fervendo na cachola.
Música boa na orelha.

Anos e anos se passam mas a Linha do Trem não perde a pompa.
Lugar lindo de tão feio.
Largado.
Tradicional.
Clássico.
Paredes que se descascam e se remontam a cada estação.

Importante estar presente e rever velhas figuras que mal ou bem tiveram seu papel.
Oportunidade de reafirmar o compromisso com a cena.
Chance de colocar o "respeito pelo coletivo" na frente do resto.
Hora boa pra falar umas merdas e rir das merdas que os parceiros falam, haha.

(Pictures by Karol Agante and AK47. Text by AK47. A special shout out to the writer KRLN, for proposing this meeting ... and also a shout out to his little girl, that will born in a few. Keep up.)

Mureta da Noite by AK47

[English]

Me, from Rio de Janeiro, a girl from Japan, and two brothers from São Paulo.
We were looking for a wall for a quick authorised painting.
We got 5 or 6 "NO" in the face.
Suddenly, a short and stretched little wall appeared.
We decided to do it good.
The painting that was going to be quick, crossed all day, and most of the night.

Nothing planned.
Total freedom.
BUYU with various characters and expressions.
SHIRO with the seabed figures.
ADM rockin' in 3D.
AK47 vomiting disorders in his letters.

Spray paint? ... A union of miserable debris made the pink background, haha, and in the end everything worked out.

I painted my simple piece quickly, lay on the sidewalk and put my head on a piece of brick. Slept for hours. I woke up late at night with the kids from the neighborhood talking in my head. The job was done ... time to eat 2 big trashy hamburgers and get back to sleep.

Big up Curitiba.

[Português]

Eu do RJ, uma mina do Japão, e dois manos de SP.
Procurávamos um muro pra uma rápida pintura legalize.
Tomamos uns 5 ou 6 "NÃO" na cara.
De repente, uma muretinha baixa e esticada apareceu.
Decidimos fazer bonito.
A pintura que era pra ser rápida cruzou o dia todo, e boa parte da noite.

Ninguém combinou nada.
Liberdade total.
BUYU com vários personagens e expressões.
SHIRO com figuras do fundo do mar.
ADM arregaçando no 3D.
AK47 vomitando seus transtornos nas letras.

Tinta? ... uma união de restinhos miseráveis gerou um fundo cor de rosa meio espacial, haha, e no final deu tudo certo.

Pintei meu trampo rapidinho, deitei na calçada, e apoiei minha cabeça num pedaço de tijolo. Dormi horas. Acordei na madruga com a molecada do bairro falando na minha orelha. O trabalho estava feito ... hora de comer dois podrões e voltar à dormir.

Salve Curitiba.

(Pictures and text by AK47. A special shout out to BUYU, SHIRO and ADM ... for being such a good team to work with. Learnt a lot from you guys.)