MOF #10 por Tayná Sampaio / by AK47

[English]

The purpose of this duel seems cowardice:

On one side of the ring, the Meeting Of Favela ... a giant event full of great difficulties for those who want to register its charms, like melting sun, heat, rain, hills, endless stairways, plus all the other obstacles that the Street offers.

Across the ring, Tayná Sampaio ... short and fragile girl, photographer of corporate events and family meetings, very young, who lives in a small town in the mountains of Rio de Janeiro.

Apparently there is no reason to invite a girl like that to publish her records here on our blog, right? WRONG! Haha. Appearances can be deceiving, and we knew we could trust her to face this fight. That tiny girl, turns into a giant when holding a camera.

When we asked Tayná what is the best thing about working in the Street, she is direct on the response: FREEDOM!

When I'm at an event which I have committed to to do something, it restricts my process of creation and my way of expressing.

But to register the Street is no commitment?

As much as I take it too seriously to register the Street, it seems that only for being there everything flows naturally, totally different from shooting a wedding for example.

We know that every photographer has a different point of view, and each one is seeking different goals when facing their routine. But Tayná says:

In my case I try to look for what people do not notice, plus covering of what is happening. I try to express myself in the details as they arise during the time.

Despite facing a difficult reality when working on the Streets, working hard under extreme conditions, Tayná thinks the biggest problem of an "Street Photographer" is the lack of appreciation of this segment.

Unfortunately, we still live in times that society does not valorizes the Street Culture. People think it is beautiful when the job is finalized, but does not support, or continues with the stereotype that anyone who does this is a "vagabond". This makes me angry as fuck, 'cause giving financial profit or not, it is hard work, which requires dedication as any other.

But not only from suffering lives the street photographer, haha, and for Tayná, the greatest joy is the "sense of accomplishment". In her own words:

To disseminate the culture, to be part of it, to believe and to keep walking forward bring me so much joy!

And that is why we are happy to share the work of this "Big Little Partner" here in our blog. Follow the "colored stones" that Tayná Sampaio recorded in Meeting Of Favela # 10. Soon, many other shoots by Tayná here at the Keep It Real.

[Português]

A proposta desse duelo parece covardia:

De um lado do ringue, o Meeting Of Favela ...  um evento gigante que apresenta grandes dificuldades para quem quer registrar seus encantos, como muito sol, calor, chuva, ladeiras, escadarias intermináveis, além de todos os outros obstáculos que a rua oferece.

Do outro lado do ringue, Tayná Sampaio ... garota baixinha e indefesa, fotógrafa de eventos corporativos e familiares, muito jovem, moradora de uma pequena cidade da região serrana do Rio de Janeiro.

Aparentemente não há razões para convidar uma menina dessas para publicar seus registros aqui no nosso blog, certo? ERRADO! Haha. As aparências podem enganar muito, e pelo histórico de Tayná, a gente sabia que podia confiar nela pra encarar essa briga de frente. Aquela menina pequenininha, vira gigante quando está com a câmera na mão.

Ao perguntar à Tayná qual é a melhor coisa em trabalhar na Rua, ela é reta na resposta: LIBERDADE!

Quando estou em um evento o qual eu tenho o compromisso de ter que fazer algo para entregar, isso restringe muito minha forma de criação e minha forma de expressar o momento.

Mas registrar o rolê da Rua não é compromisso?

Por mais que eu leve muito a sério meu compromisso de registrar a Rua, parece que só por estar ali tudo flui naturalmente, ao contrário de um cronograma montado para o casamento.

Sabemos que cada fotógrafo tem um ponto de vista diferente, e cada um busca objetivos diferentes ao enfrentar sua rotina de trabalho. Mas Tayná diz:

No meu caso tento buscar o que as pessoas não reparam, além de uma cobertura do que está acontecendo, tento me expressar pelos detalhes que vão surgindo durante o momento.

Apesar de comer o pão que o Diabo amassa quando está na Rua, ralando pesado sob condições extremas, Tayná acha que o maior problema nesta profissão de "Street Photographer" é a falta de valorização desse segmento.

Infelizmente, ainda vivemos em tempos que a sociedade não valoriza o trampo que vem da Rua. Acha bonito quando está finalizado, mas não apoia, ou continua com o estereótipo de que quem faz isso é “vagabundo”. Isso me deixa "P" da vida, pois dando lucro financeiro ou não, é um trabalho árduo, que pede dedicação como qualquer outro.

Mas nem só de sofrimento vive o fotógrafo de Rua, haha, e para Tayná, a maior alegria é a sensação de dever cumprido. Segundo suas próprias palavras:

Disseminar a cultura, fazer parte, acreditar e seguir nisso, traz uma alegria e tanta!

É por essas e outras que a gente tem o maior prazer de mostrar o trabalho dessa "Grande Pequena Parceira" aqui em nosso blog. Seguem as "pedradas coloridas" que Tayná Sampaio registrou no Meeting Of Favela #10. Em breve, muitos outros registros de Tayná aqui no Keep It Real.

(Article by AK47. Credit for all images of this post to Tayná Sampaio. To know more about this girl and check more works of her portfolio, visit her page.)