OCUPAGRAFFITI #2 by AK47

[English]

It is it! This post officially launches the video OCUPAGRAFFITI # 2!!!

But, if you don't know this project, we have to go back in time to explain it, more precisely in August 2015.

Sunday. Sunny day. Expectation. Carring lot of paint, we went to the neighborhood of Campo Grande, a suburb of Rio de Janeiro, to dive into a complex of buildings called "João Balaio". An occupation that is home to dozens of families for many years.

At first, what we see is garbage, animals, and other signs of poverty. But in a matter of seconds, the environment changes, and the feeling of host is amazing. We were welcomed as part of those families. Barbecue, beer, jokes, family atmosphere, conversation and even a birthday party. We were pulled to that universe, meeting people that have marked our lives.

In this event, we met the team of ILEGAL FILMES, group of urban guerrillas who use cameras as tools of change and awareness. The ILEGAL FILMES is already working on the field for 2 years, and has an intense contact with the world of graffiti and other street actions.

I decided to have a little chat with Paulo, one of the owners of ILEGAL FILMES and organizer of OCUPAGRAFFITI, to better understand this action.

> When I asked how was the contact with the families in this occupation and the reason of being involved in this act, the answer was beautiful.

The first time I painted there, we got connected in the situation. We found people that in the morning were picking up food and some counted bread for the rest of the week ... and later wanted to share that bread with us. While painting, many children appeared, and got hipnotised by something they had never seen before, something out of the violent routine of the West Side of Rio de Janeiro. I saw an inexplicable happiness in the eyes of children, because someone they didn't know have left home that day to bring a some color to a gray place and completely abandoned by the state. I believe I have an obligation to bring this joy to the kids and also to older people who got happy because someone care about them, bringing these interventions to where they live.

> How did the idea of OCUPAGRAFFITI born?

After the first day there, me and Xuxão (a reference in the street scene of Rio de Janeiro) talked and decided to organize the OCUPAGRAFFITI # 1. I talked to my partner Alan that we had to film the project, help spread what goes out there and show that even with all the difficulties that everybody have, they go forward with joy and hope for better days.

> For those who do not know, here is OCUPAGRAFFITI # 1:

> What is the relationship between ILEGAL FILMES and the STREETS?

Particularly as a writer, the Streets are very important to me, 'cause it taught me a lot in the past and still does today. The Street are a place where we enjoy our leisure working, and the name "ILEGAL" just comes from this marginal feeling, out of standards and legalities.

> About the organization of OCUPAGRAFFITI, Paulo also says:

I don't  that term "organizer" for thinking that is linked with "leadership" or something. With OCUPAGRAFFITI we want a fully horizontal structure, where no one is more than anyone.

> To learn more about the ILLEGAL FILMS and its productions, check out:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> To know about the OCUPAGRAFFITI # 2, it is simple. Press PLAY on the video below and make part of it:

- - - 

[Português]

É isso! Esse post lança oficialmente o vídeo OCUPAGRAFFITI #2!!!

Se não sabe o que é este projeto, temos que voltar um pouco no tempo para explicar, mais precisamente até Agosto de 2015.

Domingo. Sol forte. Expectativa. Carregados de tinta, seguimos para o bairro de Campo Grande, subúrbio do Rio de Janeiro, para mergulhar dentro de um complexo de prédios chamado de “João Balaio”. Uma ocupação que abriga dezenas de famílias há muitos anos.

Num primeiro momento, o que os olhos veem é lixo, animais soltos, e demais sinais de pobreza. Mas em questão de segundos, o ambiente muda, e a sensação de acolhimento é incrível. Fomos recebidos como parte daquelas famílias. Churrasco, cerveja, brincadeiras, clima familiar, rodas de conversa e até uma festinha de aniversário de crianças. Fomos carinhosamente puxados pra dentro daquele universo, conhecendo pessoas que marcaram nossas vidas.

Neste evento, conhecemos a galera da ILEGAL FILMES, grupo de guerrilheiros urbanos que usa câmeras como ferramenta de mudança e conscientização. A ILEGAL já trabalha na pista há 2 anos, e tem um contato intenso com o universo do graffiti e outras ações de rua.

Resolvi conversar um pouco com Paulo, um dos sócios da ILEGAL FILMES e organizador do OCUPAGRAFFITI, para e entender melhor essa ação.

> Ao perguntar como foi o contato com a galera dessa ocupação e o motivo de estarem envolvidos na organização desse ato, a resposta foi linda.

A primeira vez que pintamos lá, nos indentificamos bastante com a situação. Pessoas que de manhã estavam pegando cestas básicas, pães contados pro resto da semana, e de tarde faziam questão de dividir aquele pão com a gente. Enquanto pintava, muitas crianças apareceram e ficaram admirando aquilo que nunca tinham visto de perto, uma coisa fora do cotidiano violento da zona oeste do RJ.  Vi uma felicidade inexplicável no olhar das crianças, em alguém que eles nem conheciam ter saido de casa aquele dia pra levar um pouco de cor pra um lugar cinza e completamente abandonado pelo estado. Acredito que tenho obrigação de levar essa alegria pra molecada e também até pros mais velhos que ficam de cara com alguém se importar com eles, levando essas intervenções até onde moram.

> Como surgiu a idéia do OCUPAGRAFFITI?

Depois do primeiro role lá, eu e Xuxão (uma referência na cena da Rua do Rio de Janeiro) conversamos e decidimos organizar o OCUPAGRAFFITI #1. Conversei com meu sócio (Alan) da produtora que tinhamos que filmar o projeto, ajudar, divulgar o que rola lá e mostrar que mesmo com todas as dificuldades que a galera de lá tem, eles seguem em frente com alegria e esperança em dias melhores.

> Pra quem não conhece, esse foi o OCUPAGRAFFITI #1:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #1, use o link disponível neste post logo acima)

> Qual a relação da ILEGAL FILMES com a RUA?

Particularmente como escritor, a Rua tem muita importância pra mim, me ensinou muita coisa e me ensina até hoje. A Rua é um lugar onde curtimos nosso lazer trabalhando, e o nome “ILEGAL” vem justamente desse lado marginal, fora dos padrões, legalidades e mais do mesmo que vemos em outros vídeos.

> Sobre a organização do OCUPAGRAFFITI, Paulo ainda diz:

Não gosto muito desse termo de "organizador" por achar que tem ligação com "liderança" ou alguma coisa assim. Com o OCUPAGRAFFITI queremos uma parada totalmente horizontal onde ninguém é mais que ninguém.

> Para conhecer mais sobre a ILEGAL FILMES e suas produções, confira:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> Para saber como foi o OCUPAGRAFFITI #2, é simples. Aperte o PLAY no vídeo abaixo e faça parte desse mundo:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #2, use o link disponível neste post logo acima)

(Pictures by AK47. Article by AK47. Videos by ILEGAL FILMES. A shout to Paulo, Alan, Xuxão, and all the families that make this kind of project possible. ART WILL SAVE THE WORLD.)

Novo Vídeo dos Manos DaVila by AK47

[English]

We are fans of DaVila crew, period.

They are a strong group of the South Zone of São Paulo, which raises the flag of our culture with lot of responsibility. On the visit we made to the headquarters of the crew in SP, we got impressed with the room full of canvas by different artists, pit bulls walking in the yard, rap on the speakers, graffiti of supreme quality, low riders, and a very "real vibe" in the air. Working hard since 2007, the DaVila crew now has about 20 members, acting on the 4 elements of Hip Hop.

Yesterday, I woke up confused, and received a message from one of the writers of the crew, with the link to their new video. I got scared! Dope stuff! The new video shows the work of seven artists in January 2015, painting a giant wall in the traditional "23 de Maio", a open "Graffiti hall" of São Paulo.

Follow the flow dear reader, and watch over this fine piece by DaVila!

- Wall Name: Revolução das Quebradas (The Revolution of Ghetto)
- Location: Avenida 23 de Maio / São Paulo / Brazil
- Artists: IMAGE / ATUAL ART / HARLEY / CHAMBS / MIRAGE / ORI / GAMÃO
- Crew: DaVila
- Filming and Editing: Rafael Ambrósio

[Português]

Somos fãs da crew DaVila, e ponto final.

Grupo forte da Zona Sul de São Paulo, que levanta a bandeira da nossa cultura com muita responsabilidade. Na visita que fizemos à sede da crew em SP ficamos impressionados com o ambiente, cheio de telas de diferentes artistas, pit bulls caminhando no quintal, rap nas caixas de som, graffiti de suprema qualidade, low riders, e uma vibe muito verdadeira no ar. Trabalhando pesado desde 2007, a crew DaVila hoje tem mais ou menos 20 integrantes, atuando nos 4 elements do Hip Hop.

Ontem, ao acordar meio sonolento, recebi uma mensagem de um dos writers da crew, com o link de seu novo vídeo. Fiquei assustado! Material foda! O novo vídeo mostra o trabalho realizado por 7 artistas em Janeiro de 2015, pintando um painel gigante na tradicional "23 de Maio", um verdadeiro "corredor de Graffiti" de SP.

Siga o fluxo querido leitor, e assista mais essa peça fina dos manos DaVila!

- Nome da Obra: Revolução das Quebradas
- Local: Avenida 23 de Maio / São Paulo / Brazil
- Artistas: IMAGE / ATUAL ART / HARLEY / CHAMBS / MIRAGE / ORIGI / GAMÃO
- Crew: DaVila
- Filmagem e Edição: Rafael Ambrósio

(Article by AK47. Video production by Rafael Ambrósio. A shout out to our brothers and sisters member of the DaVila Crew. Much respect Guys!)

25 Retângulos by AK47

[English]

On that morning we woke up in Curitiba.
We stood up.
We left the dorms.
On the outside, we came across dozens and dozens of panels.
At that moment, started the first Monday after Street Of Styles 2016.

We walked sleepily by the sport court.
Inside and outside.
And everywhere, different paintings.
In this post, 25 rectangular frames that blend into our memory.

[Português]

Naquela manhã acordamos em Curitiba.
Levantamos.
Saimos do alojamento.
Do lado de fora, nos deparamos com dezenas e dezenas de painéis.
Começava naquele momento a primeira segunda-feira pós Street Of Styles 2016.

Caminhamos sonolentos pela quadra.
Dentro e fora dela.
E por todo canto, pinturas diferentes.
Neste post, 25 quadros retangulares que se misturam em nossa memória.

(Photos by Karol Agante. Article by AK47. This post is part of the official coverage of the Street Of Styles - International Graffiti Festival, made by the Keep It Real team. A loud shout out to Capsula Graffiti Shop, for hosting us and promoting this dope festival.)

Amarelo Ouro by AK47

[English]

At the Street of Styles Graffiti Festival 2016, there was a Yellow wall.
Golden yellow.
Bright yellow.
Even in a place so rich in colors, shapes and styles, this panel shouts.

Over the Yellow, 5 artists.
From São Paulo, MEDO and NIU.
From Chile, SIIR, HERZ and ANTISA.

Strong vibration that Yellow panel.
Golden yellow.
Bright yellow.

Photo by SIIR

Photo by SIIR

[Português]

No Festival de Graffiti Street Of Styles 2016, havia uma parede Amarela.
Amarelo Ouro.
Amarelo vivo.
Mesmo num lugar tão rico em cores, formas e estilos, esse painel salta aos olhos.

Sobre o Amarelo, 5 artistas.
De São Paulo haviam MEDO e NIU.
Do Chile, SIIR, HERZ e ANTISA.

Vibração forte a desse painel Amarelo.
Amarelo Ouro.
Amarelo Vivo.

(Photos by Karol Agante and AK47. Panorama photo by SIIR. Article by AK47. This post is part of the official coverage of the Street Of Styles - International Graffiti Festival, made by the Keep It Real team. A loud shout out to Capsula Graffiti Shop, for hosting us and promoting this dope festival.)