Collors Trips - Mumbai by AK47

[English]

Today's post is dedicated to the launch of a very special project for us, the Collors Trips. Here you will better understand what this project is, how it works, and the plans for the coming months.

WHAT IS THE COLLORS TRIPS?

The Collors Trips was born with the partnership between Keep It Real and Collors Brasil, and deals with graffiti in a very particular way. This project promotes the convening of "artists teams", who embark to "unusual destinations", to fulfill some "graffiti missions". If you think this all sounds crazy, you're right, haha!

During these trips, the production team records the situations experienced by the artists, whether in graffiti practice or just in everyday situations of those who are in a totally unfamiliar environment. There are many challenges that go beyond making art. When arriving at a new destination, the spoken language is different, the clothes are different, the laws are different. Artists never know what will lie ahead in the next instant.

FIRST CHAPTER: MUMBAI, INDIA

In this first chapter, Collors Trips visit Mumbai, one of the most vibrant cities in India. The cultural shock is intense, as the fascination with all the new things that appear: the food is extremely spicy, people walk down the street wrapped in colorful fabrics, children play on cars and trucks parked on the street, traffic is crazy and cows have complete freedom to do what they want.

The team chosen for this adventure consists of five Brazilian artists: AK47 (RJ), BUYU (SP), RIZO (SC), VEJAM (SC) and VALDI (SC). Each of the chosen artists has very different work styles, but somehow come into harmony to achieve the goal.

The mission given to this group of artists was bold: paint a giant panel inside the Mumbai Institute of Technology, for one of the most important worldwide technology conferences, TechFest. It is not easy to align the work of 5 different minds, with a very specific goal, in partnership with several Indian students which hosted the group. The result caught the attention of everyone, including the very creators of the panel.

FROZEN MOMENTS OF MUMBAI

Of course in addition to the video serie, the infinite amount of images captured transmit part of the essence of what was experienced by the artists. In this post, some pictures that can help you to get you closer to Mumbai, and understand how it feels to be part of Collors Trips project.

TO KNOW MORE ABOUT THE COLLORS TRIPS

The experience in Mumbai is just the first chapter in a series that will visit many other destinations. To continue watching the Collors Trips, just sign up on the official youtube channel and follow the project's official media. On each journey, several videos will show the experience to take the risk of accepting the unknown.

- Youtube: www.youtube.com/channel/UCqggCtcKbxtaT9Qbotk8hNg
- Facebook: www.facebook.com/KIRproject
- Instagram: www.instagram.com/KIRproject
- Site: www.kirproject.com/collorstrips
- Blog: www.kirproject.com/blog
- Contact: collorstrips@gmail.com

To say good by in this post, we do as people do in Mumbai. Just join hands in front of chest, and say Namaste with the best vibrations and intentions you have.

Namaste ... see you on the next chapter of Collors Trips.

=)

[Português]

O post de hoje é dedicado ao lançamento de um projeto muito especial pra nós, o Collors Trips. Aqui você vai entender melhor o que é esse projeto, como ele funciona, e as expectativas para os próximos meses.

O QUE É O COLLORS TRIPS?

O Collors Trips nasceu da parceria entre o Keep It Real e a Collors Brasil, e trata o graffiti de uma maneira muito particular. Este projeto promove a convocação de “times de artistas”, que embarcam para “destinos inusitados”, para cumprir algumas “missões de graffiti”. Se acha que isso tudo parece loucura, você está certo, haha!

Durante estas viagens, a produção registra as situações vividas pelos artistas, seja na prática do graffiti, ou simplesmente nas situações cotidianas de quem está em um ambiente totalmente desconhecido. São muitos desafios que vão além de fazer arte. Ao chegar em um novo destino, o idioma falado é diferente, as roupas são diferentes, as leis e costumes são diferentes. Os artistas nunca sabem o que vão encontrar pela frente no instante seguinte.

O PRIMEIRO CAPÍTULO: MUMBAI, ÍNDIA

Neste primeiro capítulo, o Collors Trips visita Mumbai, uma das cidades mais frenéticas da Índia. O choque cultural é imenso, assim como o fascínio por todas as novidades que se mostraram presentes: a comida é extremamente apimentada, pessoas caminham pela rua enroladas em tecidos coloridos, crianças brincam sobre carros e caminhões estacionados na rua, o trânsito é louco e as vacas tem total liberdade para fazerem o que quiserem.

O time escolhido para esta aventura é composto por 5 artistas brasileiros: AK47 (RJ), BUYU (SP), RIZO (SC), VEJAM (SC) e VALDI (SC). Cada um dos escolhidos tem linguagem e estilos muito diferentes de trabalho, mas de alguma forma entram em harmonia para alcançar o objetivo.

A missão dada à esse grupo de artistas foi ousada: pintar um painel gigante, dentro do Instituto de Tecnologia de Mumbai, para uma das mais importantes conferências de tecnologia de todo o mundo, a TechFest. Não é nada fácil alinhar o trabalho de 5 mentes diferentes, com uma proposta tão particular, em parceria com os diversos estudantes indianos do institudo que acolheu o grupo. O resultado chamou a atenção de todos, inclusive dos próprios criadores do painel.

MOMENTOS CONGELADOS DE MUMBAI

Claro que além da série de vídeos, a produção registrou uma infinidade de imagens que captam um pouco da essência do que foi experimentado pelos artistas. Segue post algumas fotos que podem te ajudar você à chegar mais perto de Mumbai, e entender o que é fazer parte do projeto Collors Trips.

PARA SABER MAIS SOBRE O COLLORS TRIPS

A experiência vivida em Mumbai é apenas o primeiro capítulo de uma série, que vai visitar muitos outros destinos. Para continuar acompanhando o Collors Trips, basta se inscrever no canal do youtube e seguir as mídias oficiais do projeto. A cada viagem realizada, diversos vídeos mostrarão as experiências de assumir o risco de aceitar o desconhecido.

- Youtube: www.youtube.com/channel/UCqggCtcKbxtaT9Qbotk8hNg
- Facebook: www.facebook.com/KIRproject
- Instagram: www.instagram.com/KIRproject
- Site: www.kirproject.com/collorstrips
- Blog: www.kirproject.com/blog
- Contato: collorstrips@gmail.com

Para terminar este post, faremos como as pessoas fazem em Mumbai. Basta juntar as mãos na frente do peito, e dizer NAMASTÊ com as melhores vibrações e intenções.

NAMASTÊ … e até o próximo capítulo do Collors Trips.

=)

(Article and pictures by AK47. Collors Trips is an project by Keep It Real and Collors Brasil. A big shout out and thanks to everybody in India that helped us on this trip, specially the people from the IIT Bombay, TechFest, the Wicked Broz Team, the local writers, and all friends we made. YOU ARE AWESOME. Namastê.)

HABITAT em um Universo Paralelo by AK47

[English]

Traveling from town to town I met the artist Amaro, who was born in Porto Alegre - RS, Brazil. When I first met him during the graffiti festival Recifusion 8, I had a quick chat with him, and watched the guy painting at the event.

Some time later I heard that Amaro is promoting an independent project to launch his own book. I was cautch by the attitude of this artist, and decided to look for him to talk and understand more about the book HABITAT.

Now in this post:
- Learn more about Amaro and his work,
- Learn more about the launch of the book HABITAT,
- Find out how to support the project and have HABITAT on your shelf.

Here is a bit of what I talked with Amaro on our last contact:

> Looking at the Amaro's work, we realize a sensitivity, delicacy and subtlety present. Amaro is able to create a parallel universe with his art (see the image gallery of this post), and sometimes it is inevitable to be dredged to this "other world". By asking Amaro how his history began, he says:

Since childhood I have connection with drawing, but I began to develop greater focus around 2009. I learned a lot watching and making mistakes, but trying again and insisting. Later I tried to improve myself looking for more experienced references.

> When asking Amaro to list some of his world travels, he mention:

In Brazil I painted in São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis and Recife. In early 2014 I made a trip to Latin America and managed to paint in Argentina, Paraguay and Uruguay. Then I went to France and Germany to make some big walls. And at the end of 2015 I was a month in Mexico painting and visiting some cities.

> What about the support Amaro likes to use? I asked him about the surfaces he likes to work on.

I like painting Graffiti (walls on the streets), which allows me to travel and meet people from other places that are connected by this movement. But I'm very thorough and sometimes the art on the street does not allow me to work a long time on a piece. So I also like to use watercolor and nankin, I have time to relax and study well what I want to do, exploring every detail and can correct some errors.

> I decided to also ask about such "parallel universes" that Amaro creates, universes that both fascinate and hypnotize people.

Actually this universe is an "scape valve" from our Western way of life, which is very dynamic and interesting, but also very destructive and stifling. We created needs that seems indispensable, without thinking that one day we lived without them and we did not care much. The nature and human are increasingly disassociated.
The art uses the unconscious and I never thought "I will create this concept." It came naturally and when I realized everything was going to that side. I ended up creating an imaginary planet where I talk about another way of life and at the same time speak a few things of my experiences.

> What is the name of your book? What can you talk about this publication?

The book's name is HABITAT, once the focus is thinking about our habitat, looking from a perspective another habitat. In the pages of this book you will see  photos of the trips, sketches, finalized drawings. It will also have some thoughts written by me and others who have followed my work. The idea of his book was born some time ago, but now came the moment and the opportunity to make it real. The publication should be available this year. After printed people can buy it directly from me or by the publisher Librettos.

> I decided to also ask what the reason to work on this book. It's to make money? It is to be famous? It's to spread art on the world? Why working so hard on an independent project?

I think it's a bit of everything. I don't like the word "famous", always seem banal, without much meaning and sounding like superiority. I think there are lot of important things being done that are not "famous", and many "famous" things that are not important. I would like to have more visibility for my work and find more opportunities doing what I like. I have to pay bills, and it's better if I can do this without being a slave to what I do.

> Since this project is being raised by a Crowdfunding Campaign, I wonder how people can help?

Enter the HABITAT project page on Catarse website, watch the video and other details. There you can pre buy the book, and find options for different amounts to support the project.

> To learn more about Amaro's work, support the project, or speak directly with the artist, visit the following links:

- Artist Page - www.facebook.com/amarout
- Artist
Email - amaro.w@hotmail.com
- Crowdfunding Page - www.catarse.me/habitat_c543

[Português]

Viajando de cidade em cidade acabei conhecendo o artista Amaro, que é natural de Porto Alegre, RS. Quando nos vimos pela primeira vez, durante o festival de graffiti Recifusion 8, bati um papo rápido com ele, e assistí o cara pintando no evento.

Algum tempo depois fiquei sabendo que Amaro está com um projeto independente, para lançar seu próprio livro. Me encantei com a iniciativa desse artista, e resolvi procurar ele pra conversar e entender melhor sobre o livro HABITAT.

Agora neste post:
- Conheça mais sobre o trabalho de Amaro,
- Saiba mais sobre o lançamento do livro HABITAT,
- Descubra como apoiar o projeto e ter o livro HABITAT na sua prateleira.

Segue um pouco do que conversei com Amaro em nosso último contato:

> Ao olhar para o trabalho de Amaro, percebe-se uma sensibilidade, delicadeza e sutileza muito presentes. Amaro foi capaz de criar um universo paralelo com sua arte (veja a galeria de imagens deste post), e as vezes é inevitável ser dragado para esse "outro mundo". Ao perguntar Amaro como sua história começou, ele diz:

Desde criança tenho conexão com desenho, mas comecei a desenvolver maior foco por volta de 2009. Aprendi muita coisa observando e errando, mas tentando novamente e insistindo. Mais tarde procurei me aperfeiçoar buscando pessoas mais experientes.

> Ao pedir Amaro para listar algumas de suas viagens pelo mundo, ele cita:

No Brasil pintei em São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis e Recife. No inicio de 2014 fiz uma viagem pela América Latina e consegui pintar na Argentina, Paraguai e Uruguai. Depois fui à França e Alemanha para realizar alguns painéis. E no final de 2015 fiquei um mês no México pintando e conhecendo algumas cidades.

> E sobre o suporte? Perguntei sobre quais mídias Amaro curte trabalhar.

Curto muito fazer graffiti (muros na Rua), que me permite viajar e conhecer o pessoal de outros lugares que estão conectados por esse movimento. Mas sou muito detalhista e às vezes a arte na rua não me permite trabalhar muito tempo em cima de uma obra. Por isso gosto também de utilizar aquarela e nanquim, que tenho tempo pra relaxar e estudar bem o que desejo fazer, explorando detalhes mínimos e podendo ir ajustando os erros.

> Resolvi perguntar também sobre os tais "universos paralelos" que Amaro cria, universos que tanto encantam e hipnotizam as pessoas.

Na verdade esse universo é válvula de escape do nosso modo de vida ocidental, que é muito dinâmico e interessante, mas também muito destrutivo e sufocante. Criamos necessidades que nos parece indispensáveis, sem refletir que um dia vivemos sem elas e não nos importávamos tanto assim. A natureza e humano estão cada vez mais desassociados.
A arte utiliza muito o inconsciente e nunca pensei “vou criar esse conceito”. Isso apareceu de forma natural e quando me dei conta tudo estava indo para esse lado. Acabei criando um planeta imaginário, onde falo de outra forma de vida e ao mesmo tempo falo algumas coisas das minhas experiências.

> Como se chama o seu livro? O que pode falar sobre esta publicação?

O nome do livro é HABITAT, por que o foco é reflexão do nosso habitat, vista de uma perspectiva em outro habitat. Nas páginas deste livro vão haver fotos das viagens, rascunhos, desenhos finalizados. Irá ter também algumas reflexões escritas por mim e por outras pessoas que acompanharam meu trabalho durante algumas exposições. A ideia desse livro venho amadurecendo faz um tempo, mas só agora veio o momento e a oportunidade. A publicação deve ser lançada ainda este ano, em data e local à divulgar. Depois de impresso as pessoas poderão comprar comigo ou através da Editora Libretos.

> Decidi perguntar também à Amaro qual o motivo de querer lançar este livro. É pra ganhar dinheiro? É pra ficar famoso? É pra espalhar seu trampo pelo mundo? Porque ralar tanto nesse projeto independente?

Creio que é um pouco de tudo. Não gosto muito da palavra "famoso", sempre me parece meio banal, sem muito significado e soando como superioridade. Acho que tem muitas coisas importantes sendo feitas que não são "famosas", e muitas coisas "famosas" que não são importantes. Gostaria sim de ter maior visibilidade para meu trabalho e consequentemente conseguir mais oportunidades fazendo o que gosto. Tenho que pagar contas e melhor se conseguir fazer isso sem ser escravo do que eu faço.

> Já que esse projeto está sendo financiado por uma ação coletiva, gostaria de saber como as pessoas interessadas podem ajudar?

Entrando na página do projeto HABITAT no site do Catarse, tem um vídeo de divulgação e mais detalhes. Lá você pode comprar o livro antecipado, além de ter opções de diferentes quantias para apoiar o projeto.

> Para saber mais sobre o trabalho de Amaro, apoiar o projeto, ou falar diretamente com o artista, visite os seguintes links:

- Página do Artista - www.facebook.com/amarout
- Email do Artista - amaro.w@hotmail.com
- Página de Apoio ao Projeto - www.catarse.me/habitat_c543

(Pictures and video by the artist Amaro. Article by AK47.)

Lançamento - QPASA? Lisbon Vacation 2016 by AK47

[English]

The QPASA? Crew passed by Portugal recently, painting in cities like Lisbon and Porto.

We received moments ago a link to a video and an image pack that shows the action of the group on this trip. In this material, actions on trains and in the streets, with tags, throw ups, rooftops and giant pieces ... always with a very Carioca flavour.

The QPASA? Crew has already hit several cities of the world like Rio de Janeiro, Sao Paulo, New York, Barcelona, Madrid, Valencia, Porto, Lisbon, Mumbai, among others. Although it is not known how many members make up the collective, their action has an obvious impact.

Keep up QPASA?

[Português]

A QPASA? Crew passou recentemente por Portugal, realizando trabalhos em cidades como Lisboa e Porto.

Recebemos há pouco o link de um vídeo e um pacote de imagens que mostra a ação do grupo nesta trip. Neste material, registros de ações em trens e nas ruas, com tags, throws, rooftops e pieces gigantes ... sempre com uma pegada muito carioca.

A QPASA? Crew tem trabalhos registrados em diversas cidades do mundo, como Rio de Janeiro, São Paulo, New York, Barcelona, Madrid, Valência, Porto, Lisboa, Mumbai, dentre outros. Apesar de não se saber quantos integrantes formam o coletivo, a ação deles tem impacto evidente.

Salve QPASA?

(Pictures and video sent by an unknown collaborator. Article by AK47.)

Reconhecer É Preciso by AK47

[English]

In some cases I feel that expressing recognition for someone's work is essential. And therefore, we can not deny that the DaVila crew is awesome!

Try to imagine it: ... if preparing a barbecue to your family already can be tricky as hell, imagine how would it be organize more than 20 artists of the hip hop culture in a group. This is the kind of thing DaVila does, working in the hip hop culture in a professional way, side by side with the best crews in the world. Fact!

To understand what I mean, watch the video that DaVila launched recently:

[Português]

Na boa, em certos casos sinto que expressar o reconhecimento pelo trabalho de alguém é essencial. E sendo assim, não dá pra negar que os caras do DaVila são fodas!

Imagina só: ... se fazer um churrasquinho em família já pode ser complicado pra caralho, organizar o trampo de mais de 20 artistas da cultura hip hop num grupo só deve ser surreal. Essa é a pegada do DaVila, que faz o corre da rua de maneira profissional, sem dever nada pra nenhuma crew gringa. Fato!

Pra entender do que estou falando, se liga no vídeo que os caras lançaram recentemente, e fique de cara!

(Article by AK47. Video by Rafael Ambrósio. A shout out to all member of the DaVila Crew. Much respect!)

OCUPAGRAFFITI #2 by AK47

[English]

It is it! This post officially launches the video OCUPAGRAFFITI # 2!!!

But, if you don't know this project, we have to go back in time to explain it, more precisely in August 2015.

Sunday. Sunny day. Expectation. Carring lot of paint, we went to the neighborhood of Campo Grande, a suburb of Rio de Janeiro, to dive into a complex of buildings called "João Balaio". An occupation that is home to dozens of families for many years.

At first, what we see is garbage, animals, and other signs of poverty. But in a matter of seconds, the environment changes, and the feeling of host is amazing. We were welcomed as part of those families. Barbecue, beer, jokes, family atmosphere, conversation and even a birthday party. We were pulled to that universe, meeting people that have marked our lives.

In this event, we met the team of ILEGAL FILMES, group of urban guerrillas who use cameras as tools of change and awareness. The ILEGAL FILMES is already working on the field for 2 years, and has an intense contact with the world of graffiti and other street actions.

I decided to have a little chat with Paulo, one of the owners of ILEGAL FILMES and organizer of OCUPAGRAFFITI, to better understand this action.

> When I asked how was the contact with the families in this occupation and the reason of being involved in this act, the answer was beautiful.

The first time I painted there, we got connected in the situation. We found people that in the morning were picking up food and some counted bread for the rest of the week ... and later wanted to share that bread with us. While painting, many children appeared, and got hipnotised by something they had never seen before, something out of the violent routine of the West Side of Rio de Janeiro. I saw an inexplicable happiness in the eyes of children, because someone they didn't know have left home that day to bring a some color to a gray place and completely abandoned by the state. I believe I have an obligation to bring this joy to the kids and also to older people who got happy because someone care about them, bringing these interventions to where they live.

> How did the idea of OCUPAGRAFFITI born?

After the first day there, me and Xuxão (a reference in the street scene of Rio de Janeiro) talked and decided to organize the OCUPAGRAFFITI # 1. I talked to my partner Alan that we had to film the project, help spread what goes out there and show that even with all the difficulties that everybody have, they go forward with joy and hope for better days.

> For those who do not know, here is OCUPAGRAFFITI # 1:

> What is the relationship between ILEGAL FILMES and the STREETS?

Particularly as a writer, the Streets are very important to me, 'cause it taught me a lot in the past and still does today. The Street are a place where we enjoy our leisure working, and the name "ILEGAL" just comes from this marginal feeling, out of standards and legalities.

> About the organization of OCUPAGRAFFITI, Paulo also says:

I don't  that term "organizer" for thinking that is linked with "leadership" or something. With OCUPAGRAFFITI we want a fully horizontal structure, where no one is more than anyone.

> To learn more about the ILLEGAL FILMS and its productions, check out:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> To know about the OCUPAGRAFFITI # 2, it is simple. Press PLAY on the video below and make part of it:

- - - 

[Português]

É isso! Esse post lança oficialmente o vídeo OCUPAGRAFFITI #2!!!

Se não sabe o que é este projeto, temos que voltar um pouco no tempo para explicar, mais precisamente até Agosto de 2015.

Domingo. Sol forte. Expectativa. Carregados de tinta, seguimos para o bairro de Campo Grande, subúrbio do Rio de Janeiro, para mergulhar dentro de um complexo de prédios chamado de “João Balaio”. Uma ocupação que abriga dezenas de famílias há muitos anos.

Num primeiro momento, o que os olhos veem é lixo, animais soltos, e demais sinais de pobreza. Mas em questão de segundos, o ambiente muda, e a sensação de acolhimento é incrível. Fomos recebidos como parte daquelas famílias. Churrasco, cerveja, brincadeiras, clima familiar, rodas de conversa e até uma festinha de aniversário de crianças. Fomos carinhosamente puxados pra dentro daquele universo, conhecendo pessoas que marcaram nossas vidas.

Neste evento, conhecemos a galera da ILEGAL FILMES, grupo de guerrilheiros urbanos que usa câmeras como ferramenta de mudança e conscientização. A ILEGAL já trabalha na pista há 2 anos, e tem um contato intenso com o universo do graffiti e outras ações de rua.

Resolvi conversar um pouco com Paulo, um dos sócios da ILEGAL FILMES e organizador do OCUPAGRAFFITI, para e entender melhor essa ação.

> Ao perguntar como foi o contato com a galera dessa ocupação e o motivo de estarem envolvidos na organização desse ato, a resposta foi linda.

A primeira vez que pintamos lá, nos indentificamos bastante com a situação. Pessoas que de manhã estavam pegando cestas básicas, pães contados pro resto da semana, e de tarde faziam questão de dividir aquele pão com a gente. Enquanto pintava, muitas crianças apareceram e ficaram admirando aquilo que nunca tinham visto de perto, uma coisa fora do cotidiano violento da zona oeste do RJ.  Vi uma felicidade inexplicável no olhar das crianças, em alguém que eles nem conheciam ter saido de casa aquele dia pra levar um pouco de cor pra um lugar cinza e completamente abandonado pelo estado. Acredito que tenho obrigação de levar essa alegria pra molecada e também até pros mais velhos que ficam de cara com alguém se importar com eles, levando essas intervenções até onde moram.

> Como surgiu a idéia do OCUPAGRAFFITI?

Depois do primeiro role lá, eu e Xuxão (uma referência na cena da Rua do Rio de Janeiro) conversamos e decidimos organizar o OCUPAGRAFFITI #1. Conversei com meu sócio (Alan) da produtora que tinhamos que filmar o projeto, ajudar, divulgar o que rola lá e mostrar que mesmo com todas as dificuldades que a galera de lá tem, eles seguem em frente com alegria e esperança em dias melhores.

> Pra quem não conhece, esse foi o OCUPAGRAFFITI #1:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #1, use o link disponível neste post logo acima)

> Qual a relação da ILEGAL FILMES com a RUA?

Particularmente como escritor, a Rua tem muita importância pra mim, me ensinou muita coisa e me ensina até hoje. A Rua é um lugar onde curtimos nosso lazer trabalhando, e o nome “ILEGAL” vem justamente desse lado marginal, fora dos padrões, legalidades e mais do mesmo que vemos em outros vídeos.

> Sobre a organização do OCUPAGRAFFITI, Paulo ainda diz:

Não gosto muito desse termo de "organizador" por achar que tem ligação com "liderança" ou alguma coisa assim. Com o OCUPAGRAFFITI queremos uma parada totalmente horizontal onde ninguém é mais que ninguém.

> Para conhecer mais sobre a ILEGAL FILMES e suas produções, confira:

- Instagram: @ilegalfilmes
- Facebook: /ilegalfilmes
- Youtube

> Para saber como foi o OCUPAGRAFFITI #2, é simples. Aperte o PLAY no vídeo abaixo e faça parte desse mundo:

(Para assistir o vídeo OCUPAGRAFFITI #2, use o link disponível neste post logo acima)

(Pictures by AK47. Article by AK47. Videos by ILEGAL FILMES. A shout to Paulo, Alan, Xuxão, and all the families that make this kind of project possible. ART WILL SAVE THE WORLD.)